Pular para o conteúdo principal

Exumação revela troca de corpos de suspeitos de Covid-19 após família iniciar busca por morto em Rio das Ostras

O corpo de Raymundo Batista de Oliveira, que havia sumido do pronto-socorro de Rio das Ostras nesta quarta-feira (20), foi encontrado pela Polícia Civil numa ação de exumação no cemitério da cidade. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Raymundo foi enterrado no lugar do corpo de Lúcia, mulher que estava no necrotério no momento em que a família foi reconhecer o corpo do idoso.

"Concluímos que, o corpo sepultado como se fosse o da senhora Lúcia era na realidade do senhor Raymundo. No saco plástico que encobria o cadáver estava a identificação do Senhor Raimundo e após aberto, com toda a segurança possível, a família pode identificá-lo", contou o delegado plantonista da 128ª DP, Jorge Maranhão.

De acordo com Jorge Maranhão, o caso continuará sendo investigado para que os responsáveis sejam identificados.

"A investigação irá continuar para apurar a responsabilidade de todas as pessoas envolvidas nesse fato, assim como apurar a subtração dos bens do falecido".

Os objetos pessoais de Raymundo, como documentos e celular, também sumiram.
Exumação para descobrir o paradeiro do corpo de idoso morto com suspeita da Covid-19 aconteceu na tarde desta quinta-feira (21). — Foto: 128ª DP

"Acredito que temos que seguir todas as orientações do Ministério da Saúde e tomarmos os cuidados necessários, essa doença é perigosa, mas aconselho que antes de qualquer procedimento de sepultamento devemos tomar os cuidados com a identificação do falecido. Estamos apurando, a princípio, a negligência do hospital e da funerária, mas os familiares também devem tomar esses cuidados", afirmou Jorge Maranhão.

Se a família do Sr. Raymundo não percebesse a troca, teriam ocorrido os sepultamentos e nunca iríamos saber desse erro", ressaltou o delegado.
Em nota enviada à produção da Inter TV na quarta, a Prefeitura de Rio das Ostras chegou a afirmar que a funerária contratada pela família errou o corpo e que a própria empresa já havia assumido o erro.

As duas funerárias envolvidas no caso, tanto a contratada para o transporte do corpo de Raymundo, quanto a contratada para o transporte do corpo de Lúcia, negam que tenham cometido erro.

A Funerária Lagos, responsável pelo enterro de Lúcia, afirmou, inclusive, que o caixão onde estaria o corpo de Lúcia já estava lacrado no momento da retirada e que a identificação colocada no caixão tinha o nome dela.

"A afirmação do Município que a funerária trocou os corpos é falsa, pois o agente funerário não escolhe o corpo que retira, na verdade, eles são entregues ao agente funerário já acondicionados em sacos pretos lacrados pelo pronto-socorro", afirmou a empresa através de nota.

O procedimento de acondicionar corpos em sacos lacrados é realizado em casos suspeitos de Covid-19, por medidas de segurança.

Na noite de quarta, em publicação no Facebook, a Prefeitura de Rio das Ostras chegou a falar em troca de corpos. O governo municipal também anunciou o afastamento da direção e a coordenação do Pronto-Socorro e a abertura de um inquérito administrativo para apurar os fatos.

Fonte: g1.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.