Pular para o conteúdo principal

"Eu desconheço", diz Iranildo Campos sobre suspeita de rachadinha quando era deputado

O secretário de Saúde de Cabo Frio, Iranildo Campos, disse nesta terça-feira (19) à Folha dos Lagos que desconhece se houve prática de 'rachadinha' em seu gabinete quando foi deputado estadual. Ele também afirmou que irá colocar os sigilos telefônico e bancário à disposição da Justiça.

O gabinete de Iranildo Campos foi citado no relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que deu origem à operação Furna da Onça, realizada em 2018 durante investigação da Polícia Federal sobre suspeitas de corrupção na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Nesta segunda (18), uma reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou que o advogado Victor Granado Alves, que trabalhava no gabinete de Iranildo quando realizou operações financeiras suspeitas, teria presenciado o vazamento da operação Furna da Onça para o agora senador Flávio Bolsonaro, que na época era deputado estadual e que também é investigado pela PF por prática de 'rachadinha' - quando funcionários do gabinete repassam parte dos salários para os deputados.

Segundo o Ministério Público, foi identificado no gabinete de Iranildo um fluxo de dinheiro que sinaliza "possível prática de rachadinha".

- Não existe acusação. Estão confundindo acusação com suspeita. Vou esclarecer na Justiça, é só me chamar. Coloco meu sigilo bancário, telefônico, tudo à disposição. Vai lá e pergunta à Justiça, pede o processo lá. Eu nunca fui chamado pra nada, então como vou responder? - disse Iranildo, que é policial militar reformado, à reportagem da Folha dos Lagos nesta terça.

Questionado se tinha conhecimento ou participação em esquema de 'rachadinha' no período em que foi deputado, ele respondeu:

- Eu desconheço.

O advogado Victor Alves atuou no gabinete de Iranildo até 2016. Naquele ano, ele foi contratado como advogado do então deputado federal Jair Bolsonaro. Em 2017, Victor passou trabalhar no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj. Em 2019, atuou na liderança do PSL na Assembleia Legislativa.  

Victor Alves também foi advogado da empresa de Flávio Bolsonaro, a Bolsotini Chocolates, franquia da marca Kopenhagen em um shopping na Zona Oeste do Rio. A loja é investigada porque a conta bancária da empresa recebeu depósitos em dinheiro vivo que o MP suspeita serem fruto de lavagem de dinheiro da 'rachadinha'.

No último domingo, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o empresário Paulo Marinho, ex-apoiador do presidente Jair Bolsonaro, disse que a operação Furna da Onça teria sido vazada para Flávio Bolsonaro, filho do presidente investigado pela Polícia Federal. 

Paulo Marinho contou ter ouvido de Flávio Bolsonaro, em dezembro de 2018, que Victor Alves foi um dos que teriam recebido a informação antecipada sobre a operação.

A Folha dos Lagos tenta contato com os demais citados e aguarda retorno.

Fonte: folhadoslagos.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.