Pular para o conteúdo principal

Polícia faz operação contra desvios e fraudes na Saúde de Arraial do Cabo

A Polícia Civil do Rio realizou, na manhã desta segunda-feira (9), uma operação contra desvios e fraudes na área da Saúde no município de Arraial do Cabo, Região dos Lagos do Rio. Segundo as investigações, uma das empresas investigadas recebeu verbas públicas por mais de um ano, mesmo sem ter contrato assinado com a Prefeitura.

 

Entre os alvos está o ex-secretário de Saúde de Arraial do Cabo, Antônio Carlos de Oliveira, conhecido como Kafuru, que deixou o cargo há cinco meses, e um casal de empresários apontados como donos de duas empresas responsáveis por fazer exames no município: Mega Lagos e Masther Lab.

 

O G1 não conseguiu contato com os investigados até as 12h30.

 

Os agentes cumpriram 12 mandados de busca e apreensão em cinco municípios: Rio de Janeiro, Arraial do Cabo, Búzios, Saquarema e São José de Ubá. O nome da Operação “No Fio do Bigode” faz referência à celebração de acordos não registrados oficialmente.

 

Hospital de Búzios é um dos alvos de mandados de busca e apreensão em operação contra desvios e fraudes na Saúde de Arraial do Cabo, no RJ — Foto: Divulgação/Polícia Civil

 

Os policiais buscaram cumprir mandados no Hospital Municipal Rodolpho Perissé, em Búzios; no endereço onde atualmente funciona a Clínica da Mulher, em Saquarema; e em endereços de empresas e de residências dos investigados, entre eles, uma fazenda em São José de Ubá que, de acordo com a Polícia, é de propriedade do ex-secretário de Saúde de Arraial do Cabo.

 

De acordo com a Polícia Civil, o endereço de Saquarema, onde atualmente funciona a Clínica da Mulher, foi usado pelos laboratórios investigados como sede, mas não havia mais documentos relacionados a eles na clínica.

 

A Prefeitura de Saquarema reforçou que o município não foi objeto de nenhuma operação da Polícia Civil e que o endereço consta no mandado judicial como sendo sede da empresa Megalagos Diagnóstica Ltda. O município disse ainda que o prédio é alugado pela Prefeitura de Saquarema e que nenhuma unidade de saúde do município era atendida pela referida empresa e o atendimento segue normalmente em todas as unidades de saúde.

 

A ação faz parte de uma investigação da 132ª DP (Arraial do Cabo), realizada em parceria com o Ministério Público Estadual, que apura fraudes em licitação, irregularidades na contratação, por parte da Prefeitura de Arraial do Cabo, de dois laboratórios de análises clínicas, cobrança por exames que nunca foram feitos e falta de assistência à população.

 

Policiais civis de sete delegacias do Departamento Geral de Polícia do Interior participam da ação.

 

A investigação aponta que, juntas, as empresas investigadas, que pertencem aos mesmos donos, receberam da Secretaria Municipal de Saúde, nos últimos quatro anos, mais de R$ 6 milhões.

 

Os investigadores que trabalham no caso há seis meses descobriram que uma das empresas recebeu cerca de R$ 2,5 milhões durante 1 ano e meio sem ter qualquer tipo de contrato firmado com a prefeitura.

 

 

“Nós investigamos a existência de um esquema criminoso montado, desde 2017, para sugar os cofres da Secretaria Municipal de Saúde. E o que chamou muito a nossa atenção foi como esse grupo agiu de forma tão audaciosa, como se não temesse as autoridades e a Justiça”, disse a delegada de Arraial do Cabo, Patrícia Aguiar.

 

Em nota, a Prefeitura de Arraial do Cabo informou que a ação faz parte de uma investigação do ano de 2017 e apura possível envolvimento de ex-funcionários da secretaria de Saúde. O município disse ainda que "desde o início da investigação a secretaria tem colaborado com a Polícia Civil e com o Ministério Público prestando todas as informações solicitadas bem como apresentando todos os documentos".

 

A secretaria de Saúde informou que a procuradoria da secretaria acompanhou a diligência no Hospital Geral, que buscava apreender documentos e contratos das empresas investigadas.

 

Investigações

De acordo com a investigação da Polícia Civil, o laboratório Mega Lagos foi contratado em caráter emergencial, em janeiro de 2017, por seis meses, para realizar exames no Hospital Geral de Arraial do Cabo e em todos os postos de saúde da cidade.

 

No entanto, segundo a polícia, durante esse período, a empresa não prestou atendimento nos postos e realizou apenas alguns exames emergenciais nos pacientes internados no hospital. Apesar disso, cobrou e recebeu da Secretaria Municipal de Saúde por milhares de exames que sequer estavam disponíveis.

 

As investigações apontaram que, após o término do prazo emergencial, em junho de 2017, a Mega Lagos continuou atuando em Arraial do Cabo e recebendo pagamentos, até dezembro de 2018, sem ter nenhum contrato firmado com a administração municipal.

 

Somente em janeiro de 2019, a Secretaria Municipal de Saúde realizou uma licitação, através da qual foi contratada a Masther Lab, que pertence aos mesmos donos da Mega Lagos: os empresários Cláudio Luiz de Oliveira da Silva e Angélica Santos Lameiras, também alvos da operação.

 Fonte: g1.globo.com

 

As investigações revelaram ainda que quase dois meses antes da divulgação do processo licitatório o casal já estava com toda a documentação pronta para participar e que houve uma combinação prévia, entre o então secretário de Saúde Kafuru e os donos dos laboratórios, do quantitativo de exames que seriam cobrados pelas empresas e dos valores que seriam pagos pelo município.

 

Também foi revelado que, na prática, Mega Lagos e Masther Lab são a mesma empresa, tendo, inclusive, os mesmos funcionários e endereços comerciais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTA OFICIAL

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que, na manhã desta terça-feira (24/11), a Secretaria Municipal de Saúde recebeu agentes da Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU) para inspecionar documentos e solicitar informações sobre uma empresa específica, que era alvo de investigação. Com tranquilidade, todos os documentos solicitados, que já tinham sido encontrados pelos agentes no Portal da Transparência do município, foram novamente apresentados. A empresa inspecionada participou do Pregão Presencial n° 004/2020, de 28/02/2020, que contou com a participação de 19 empresas, das quais, 13 venceram. Uma das vencedoras é alvo dessa investigação, com ata de registro de preço firmada no valor de R$ 115.237,00 para entrega de medicamentos. A Prefeitura esclarece que, ao contrário do que tem sido veiculado, a operação tem como alvo a empresa licitante, como desdobramento de outra investigação dos órgãos na região Norte Fluminense, e que não há indícios de fraude na licit

COLUNA BANZO

 O ESTADISTA A de história de Cabo Frio  marcada por grandes embates políticos, desde os primórdios tempos Liras e Jagunços davam o tom beligerante que forjaria a história de nossa terra amada. Essa cultura pelo contraditório e pela polarização causaram eisentraves políticos etu atrasaram em muito o desenvolvimento de Cabo Frio, que foi salva pela sua vocação turística e pelos royalties do petróleo. Testemunhei no fim do século passado, mais precisamente no fim dos anos 90, inesquecíveis embates políticos-filosóficos entre os então vereadores Jânio de Mendes e Amaury Valério. Esses embates recebiam "a partes" dos saudosos Acyr Rocha e Ayrres Bessa, e eram testemunhados e por muitas vezes corroborados por Antônio Carlos Trindade e Silas Bento. O nível dos embates eram altíssimos e caminhávamos para a formação de "Estadistas", políticos que despontaríam Estadual e Nacionalmente, potencializando o nome de Cabo Frio. Infelizmente isto não se repetiu nas legislaturas sub

Lei Aldir Blanc

Nesta segunda-feira (30), no Espaço Cultural Zanine, começou a entrega dos documentos exigidos e de assinaturas para os artistas habilitados para Lei Aldir Blanc, conforme publicado no Boletim Oficial nº 1.140, dos dias 26 de novembro a 27 de novembro de 2020. Esta etapa acontecerá de segunda a quarta-feira das 9h às 16h. Os artistas que tiverem suas inscrições não habilitadas poderão apresentar o recurso na mesma data e local. Após a quarta-feira (02/12), o Grupo Gestor da Lei Aldir Blanc fará a análise dos documentos e sairá a homologação para o recebimento do recurso destinado ao Inciso 2 da Lei nº 14.017, mais conhecida como Lei Aldir Blanc. Esta lei prevê auxílio financeiro ao setor cultural. A iniciativa busca apoiar profissionais da área que sofreram com os impactos das medidas de distanciamento social por causa da COVID-19. A legislação ficou conhecida como Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compósitos que morreu em maio, vitima do novo coronavírus.