Leal Porto

Leal Porto

RESTAURANTE DA PONTE

RESTAURANTE DA PONTE
"O lugar certo de comer peixe" - Em cima do Mercado Municipal do Peixe (22) 2647-5341

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Passando a Limpo. Por Charles Domingues




O FUTURO QUE PRETENDEMOS TER

Em uma cidade que pretende ser considerada em desenvolvimento, é imperativo que ela se preocupe com a gestão dos recursos naturais. Mais do que isso, ela tem de conceber formas de promover o bem-estar humano sem permitir que seu patrimônio natural seja usado ou degradado em troca de um desenvolvimento desordenado.

Hoje o grande problema que os administradores de uma cidade enfrentam, é exatamente o de lutar contra a pobreza, e da mesma forma lutar para que o desenvolvimento necessário para suprir essa pobreza não degrade o restante do patrimônio ambiental que restou de um “desenvolvimento”, que se deu ao longo dos anos a base de muita degradação social, ambiental e por que não dizer humana.

Hoje é mais do que necessário para tentar minimizar essas verdadeiras aberrações que anteriormente foram permitidas quero crer por falta de conhecimento técnico/político, ou quem sabe má vontade com relação as questões sócio ambientais, que antes de qualquer planejamento político, seja criado um conjunto de regras e simultaneamente seja realizada uma correta consideração dos custos ambientais envolvidos como parte das políticas de desenvolvimento.

Mas existem perguntas que não calam. Como valorar os gastos gerados para minimizar impactos? Debitar na conta de quem os impactos ambientais negativos já gerados? Porem como não temos como voltar no tempo, vamos deixar isso por conta da Lei 9.605, de 12 De Fevereiro De 1998, e vamos em frente, em busca de novos rumos.

Até agora, entretanto, a despeito da sustentabilidade, quando eu olho para os estados e municípios, observo que tem prevalecido iniciativas que não levam em conta os recursos ambientais. No passado, os recursos naturais no país, foram tradicionalmente explorados à exaustão (Cavalcanti, 1991). Um caso ilustrativo atual é a jazida de 42 milhões de toneladas de manganês no Amapá, a qual, de 1957 até meados da década de 90 foi completamente esgotada (Brito, 1994).

Hoje esta claro que uma estratégia de desenvolvimento não pode se basear em tal forma predatória de uso dos recursos naturais, na verdade, a questão sócio-ambiental deve ser levada em consideração sempre, pois as iniciativas de desenvolvimento não podem mais serem feitas baseadas somente em crescimento vertical de uma cidade, ou de grandes obras que visam o progresso puro e simples, é necessário que hoje o gestor tenha uma visão distinta do processo econômico, levando em conta a dimensão biofísica, as leis e princípios da natureza, e o que se requer a elaboração de regras para um desenvolvimento sustentável. Somente com uma política comprometida com a sustentabilidade, fomentando a prevenção de fatores que causem ameaças aos ecossistemas, como por exemplo, lixo poluição, agronegócios insustentáveis, exploração de recursos renováveis, despreocupação com os recursos finitos (água), é que teremos um desenvolvimento capaz de suprir as necessidades do presente, sem comprometer a capacidade de gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades.

Eu sou Charles Domingues, Gestor Ambiental / Especialista Saneamento Ambiental / Especialista Engenharia ambiental. Não deixe de ler o meu Blog: www.charlesdomingues.blogspot.com - www.facebook.com/cvdomingues/Twitter; @charlesdomingue

0 comentários:

- |